Cantora pop Miley Cyrus é a estrela da nova campanha global da marca Converse
dezembro 21, 2017
AKQA e Netflix fazem pegadinha na internet para promover lançamento de “Bright”
dezembro 22, 2017

Unicef propõe maior proteção ao público infantil durante navegação no ambiente digital

Unicef propõe maior proteção ao público infantil durante navegação no ambiente digital

 

Divulgação

A Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) realizou o estudo comportamental “The State of the World’s Children 2017: Children in a digital world” que aponta os perigos à exposição dos conteúdos da internet às crianças. Pelo menos um em cada três usuários da rede mundial de computadores é do universo infantil. E, segundo a instituição ligada à ONU, “muito pouco é feito para protegê-las dos perigos do mundo digital e para aumentar seu acesso a conteúdos virtuais seguros”, como detalha o relatório anual de alerta divulgado nesta quarta-feira (20) em Nova York, nos Estados Unidos.

 O trabalho apresenta o primeiro olhar abrangente da Unicef sobre as diferentes maneiras pelas quais a tecnologia digital está afetando a vida das crianças e as chances de vida, identificando perigos e oportunidades. O relatório argumenta que os governos e o setor privado não acompanharam o ritmo da mudança, expondo as crianças a novos riscos, prejudicando e deixando para trás milhões de jovens em situação mais desfavorável.

 “Para o melhor e o pior, a tecnologia digital é agora um fato irreversível de nossas vidas”, disse o diretor-executivo da Unoicef, Anthony Lake. “Em um mundo digital, nosso desafio duplo é como mitigar os danos, ao mesmo tempo em que maximizam os benefícios da internet para cada criança.  “A internet foi projetada para adultos, mas é cada vez mais usada por crianças e jovens – e a tecnologia digital afeta cada vez mais suas vidas e seus futuros. Assim, as políticas, práticas e produtos digitais devem refletir melhor as necessidades das crianças, as perspectivas das crianças e as vozes das crianças”, ele acrescenta.

O relatório explora os benefícios que a tecnologia digital pode oferecer às crianças mais desfavorecidas, inclusive aquelas que crescem na pobreza ou são afetadas por emergências humanitárias. Isso inclui o aumento do acesso à informação, a construção de habilidades para o local de trabalho digital e dar-lhes uma plataforma para se conectar e comunicar seus pontos de vista.Mas o documento mostra que cerca de um terço da juventude mundial, equivalente a 346 milhões, não está online, o que reduz a capacidade das crianças de participar de uma economia cada vez mais digital.

 Mas a vulnerabilidade das crianças em riscos e danos, incluindo o uso indevido de suas informações privadas, o acesso a conteúdos prejudiciais e o acúmulo de ciberbullying, preocupa a Unicef. A presença onipresente de dispositivos móveis, segundo o relatório, fez o acesso on-line de muitas crianças ser menos supervisionado – e potencialmente mais perigoso.

 E as redes digitais, como a Dark Web e as criptografias, estão permitindo as piores formas de exploração e abuso, incluindo o tráfico e o abuso sexual infantil “feito sob encomenda”. A análise da Unicef apresenta dados e análises atuais sobre o uso on-line das crianças e o impacto da tecnologia digital sobre o bem-estar das crianças, explorando debates crescentes sobre o “vício” digital e o possível efeito do tempo de tela no desenvolvimento do cérebro.

 

Fatos adicionais do relatório incluem:

 • Os jovens são a faixa etária mais conectada. Em todo o mundo, 71% deles estão online em comparação com 48% da população total.

• A juventude africana é a menos conectada, com cerca de 3 de cada 5 jovens offline, em comparação com apenas 1 em cada 25 na Europa.

• Aproximadamente 56% de todos os sites estão em inglês e muitas crianças não conseguem encontrar conteúdo que eles entendam ou que seja culturalmente relevante.

• Mais de 9 em 10 URLs de abuso sexual infantil identificados globalmente são hospedados em cinco países – Canadá, França, Holanda, Federação Russa e Estados Unidos.

 

Recomendações: 

• Fornecer a todas as crianças fácil acesso a recursos on-line de alta qualidade;

• Proteger as crianças de danos on-line – incluindo abuso, exploração, tráfico, cyberbullying e exposição a materiais inadequados;

• Proteger a privacidade e identidades das crianças on-line;

• Ensinar alfabetização digital para manter as crianças informadas, envolvidas e seguras on-line;

• Aproveitar o poder do setor privado para promover padrões e práticas éticas que protejam e beneficiem crianças on-line;

• Colocar as crianças no centro da política digital.

 

Suporte

Estágio em agência de publicidade de Santos

O post Unicef propõe maior proteção ao público infantil durante navegação no ambiente digital apareceu primeiro em Lima & Santana Propaganda.

Os comentários estão encerrados.